<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7665134\x26blogName\x3dA+Fonte\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://afonte.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_US\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://afonte.blogspot.com/\x26vt\x3d1466326753139482528', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

A Fonte

O que há de errado comigo ? Eu não sei nada e continuo limpo.

No dia em que eu apontar uma arma ...

A Sic Comédia está a repor a sitcom "Family Ties/Quem Sai aos Seus", e num dos últimos episódios está bem patente a diferença entre os americanos e os europeus.
Os Keaton (pacifistas dos anos 60) são assaltados, e como a partir daí ficam com medo, decidem fazer uma reunião com a vizinhança para acabar por descobrir que uma das formas mais usuais que os vizinhos usam para se defender do medo e dos assaltantes é uma arma.
Ao princípio rejeitam, depois compreendem a necessidade e relutantemente compram uma.
Lidam com ela como se fosse uma doença e explicam aos filhos que apesar das suas convicções viram-se obrigados a mudar de ideias, "Nós não mudámos, o mundo é que mudou.".
Na noite a seguir, são acordados com um barulho. O pai desce de raquete de ténis na mão e depara-se com o filho mais velho que estava a dormir fora, mas que decide voltar para casa. O episódio termina com a habitual lição de moral da série, com o pai a dizer que não conseguiu pegar na arma, e a mãe a lembrar que ele há vinte anos tinha dito que "no dia em que eu apontar uma arma contra outro ser humano, é o dia em que eu admito a derrota da humanidade".
A diferença é que nós não achamos que seja qualquer derrota para a humanidade pegar numa arma, simplesmente nem sequer a iriamos comprar. E o mundo também mudou para nós. Pode-se argumentar que nós não podemos ter armas de defesa pessoal e os americanos podem. E por isso as querem. Mas eu tenho para mim que a questão é ao contrário, eles não as querem porque podem, eles podem porque as querem.
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

» Post a Comment