<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7665134\x26blogName\x3dA+Fonte\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://afonte.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_US\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://afonte.blogspot.com/\x26vt\x3d1466326753139482528', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

A Fonte

O que há de errado comigo ? Eu não sei nada e continuo limpo.

E quando precisávamos que em Belém estivesse sentado o melhor de nós todos ...

Jorge Sampaio sempre foi um político menor.
Concorreu a Primeiro Ministro e perdeu estrondosamente contra Cavaco em 1991 e em 1995 no fim do Cavaquismo chegou a Presidente porque quem votou nele, essencialmente estava a votar contra Cavaco.
No entanto, revelou-se como Presidente. Era um caso típico de o cargo fazer o homem. Sempre apreciei o sentido de estado que revelava. O bom senso, a estabilidade e serenidade que transmitia.
O caso mais difícil que teve resolveu-o da maneira mais correcta (pelo menos na minha opinião).
Mas agora ... Seria difícil fazer pior.
Anunciou uma dissolução sem a explicar.
"Esqueceu-se" de avisar o Presidente da Assembleia da Républica.
Quis que o Orçamento fosse aprovado para que os funcionários públicos fossem aumentados.
E demorou dez dias a explicar a decisão.
Mas porque demitir agora o PM ?
Segundo ele, por causa de acontecimento que “criou uma grave crise de credibilidade do Governo". Então e o Guterres ?
"A persistência e mesmo o agravamento desta situação inviabilizou as indispensáveis garantias de recuperação da normalidade e tornou claro que a instabilidade ameaçava continuar, com sério dano para as instituições e para o País, que não pode perder mais tempo nem adiar reformas." Então e o Guterres ?
"... o Orçamento para 2005 não responde satisfatoriamente às exigências de efectiva consolidação orçamental". Então e o Guterres ?
Estavámos mal, ficámos pior e o futuro ...
Talvez o Blasfémias tenha razão.
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

» Post a Comment