<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7665134\x26blogName\x3dA+Fonte\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://afonte.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_US\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://afonte.blogspot.com/\x26vt\x3d6978232382653524933', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

A Fonte

O que há de errado comigo ? Eu não sei nada e continuo limpo.

Entertainers

Cavaco Silva sempre falou pouco. Sempre foi comedido. Mesmo quando era Primeiro-Ministro, media as palavras como até hoje nenhum político o fez. No pólo oposto teremos talvez Santana Lopes. Falava todos os dias e em horário nobre.

Há um efeito imediato desta opção. As suas palavras são analisadas à lupa, comparadas com anteriores declarações, guardadas na memória colectiva. As frases infelizes são glosadas eternamente e os momentos embaraçantes entram directamente para o anedotário nacional.

E ninguém esquece. E toda a gente se lembra :
- Porque é que agora não ataca ninguém, quando há 10 anos atacava Jorge Sampaio ?
- Quem era a moeda falsa ?
- Em 1995 disse que se ia afastar da vida política. Porque o regresso ?
- E o bolo-rei ?
- E os cinco minutos de jornais ?
- E como e porquê é que os ministros foram embora.
- E a imagem com Sá Carneiro de 1985 ? Hã ? Como é ?

Mas registe-se a diferença.

- Há menos de um ano, Soares disse que era uma “loucura” candidatar-se novamente. É confrontado, faz uma piada sobre a idade, e com duas de letra a coisa passa.
- Manuel Alegre disse quando se apresentou pela primeira vez, que se não houvesse mais ninguém para derrotar Cavaco, ele avançava. Passados dois meses já ninguém se lembra.
- Manuel Alegre que sempre fez parte do aparelho socialista e do qual esperava o apoio, vem dizer que se candidata pela independência dos partidos. E toda a gente faz de conta.

Há qualquer coisa na sociedade portuguesa que também tem que ser aprendida para não aceitarmos que uma piada feliz, desenrascada e oportuna é suficiente para justificar as opções políticas que se tomam.

Cavaco pode não saber responder às perguntas difíceis, mas a verdade é que ninguém sabe. O máximo que um político consegue é distrair a audiência. Cavaco não o consegue. Tudo bem. Também não o quero para entertainer.

(Publicado n’O Eleito)
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

» Post a Comment