<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7665134\x26blogName\x3dA+Fonte\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://afonte.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_US\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://afonte.blogspot.com/\x26vt\x3d6978232382653524933', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

A Fonte

O que há de errado comigo ? Eu não sei nada e continuo limpo.

Falta de Argumentos [1]

Ainda não consegui perceber os críticos de Cavaco Silva que sugerem que ele não vai ser um bom Presidente porque é muito “interventivo” e porque o que ele gosta é de “governar”.

Curiosamente ninguém se lembrou disto em 1986 quando Mário Soares tinha sido Primeiro-Ministro seis meses antes. Porque terá sido ? Ele não gostava de “governar” ? E não sei porquê, palpita-me que se Guterres fosse candidato, também ninguém se ia lembrar dessa. Mas continuemos.

Se Cavaco Silva quando foi Primeiro-Ministro era interventivo, era-o porque tinha que o ser. A sua função era governar, logo intervir. Por isso, dizer passados dez anos que o cumprimento da sua função de Primeiro-Ministro o tornou num político com aspirações interventivas e que como tal são um entrave à função, menos interventiva claro, de Presidente da República, é no mínimo revelador de falta de argumentos.

Por outro lado, é preciso não esquecer que esta linha de argumentação vem geralmente acompanhada por aquela outra, também excelente, que associa a imagem séria de Cavaco Silva à imagem séria de Salazar, num claro processo de 1+1=2. Eu diria que a estupidez deste argumento pode ser desmontada assim : A imagem descontraída de Mário Soares lembra-me a imagem descontraída de Hugo Chavez, ou seja 2+2=4.

(Publicado n’O Eleito)
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »