<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7665134\x26blogName\x3dA+Fonte\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://afonte.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_US\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://afonte.blogspot.com/\x26vt\x3d6978232382653524933', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

A Fonte

O que há de errado comigo ? Eu não sei nada e continuo limpo.

Mais um a caminho do Brasil


(Imagem retirada do Verbo Jurídico Blog)

O Sr. José Lopes Cardoso, motorista profissional a trabalhar para o Estado no Ministério dos Negócios Estrangeiros, estava “especialmente” (leia-se : sempre que fosse preciso), encarregado do “apoio automóvel” (tradução : Ó Cardoso, leve-me às Amoreiras e depois deixe o menino na Maxmen) da "família directa" (não perguntem - deve ser um termo jurídico) do Prof.Dr.Diogo Freitas do Amaral.

No entanto, quando “por uma razão, ou por outra”, a “família mais próxima” (mais próxima é mais afastado do que directa, por isso devem ser os primos e as tias), precisava dos seus serviços, o Cardoso não desiludia, antes pelo contrário. Inclusivamente, os conduzidos gostaram tanto que fizeram questão de o transmitir ao primo e sobrinho.

O que me leva assim à seguinte questão : Por que é que o Sr.Ministro não refere que a “família directa” também gostava muito dos serviços do motorista, quando este até lhes estava “especialmente” atribuído ? Lendo bem o louvor, é impossível não reparar que as inúmeras qualidades do Sr.José Lopes Cardoso são fruto apenas da opinião do Prof. Freitas do Amaral, e assim sendo, só podemos concluir que o trabalho do Cardoso não agradou à ”família directa”.

Tentando adivinhar os motivos, penso que devem residir nas viagens não programadas que, “por uma razão, ou por outra”, ele tinha que fazer para a “família mais próxima”, donde se conclui que o pobre homem devia trabalhar em permanente stress. No espelho retrovisor, o olhar desconfiado da “família directa” e no telemóvel, à espera de uma folga, 17 chamadas não atendidas da “família mais próxima”.

Por isso, e porque imagino que não deve ter sido fácil, também eu aqui louvo o Sr. José Lopes Cardoso, e espero que a bem dele o Ministério dos Negócios Estrangeiros tenha aprendido a lição : O nosso herói não precisa de louvores, precisa é de um colega.
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

» Post a Comment