<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7665134\x26blogName\x3dA+Fonte\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://afonte.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_US\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://afonte.blogspot.com/\x26vt\x3d6978232382653524933', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

A Fonte

O que há de errado comigo ? Eu não sei nada e continuo limpo.

Saramaguices

Mais um entrevista do Carlos Vaz Marques, desta feita com José Saramago.

O gajo, lembra-se de dizer que nada, nem ninguém é imortal. Pergunta-lhe o entrevistador : “E as obras de literatura ?” – “Não. Nada é imortal”. Enfim, mais ou menos isto.

Eu, como sou bruto, insensível e pouco paciente para gajos como o Saramago, teria dito qualquer coisa como isto : “Ouça lá, ó sua besta. Ou você é burro ou então quer fazer de nós todos burros. Então e as obras escritas à 100, 200, 500 anos atrás não são imortais ? Então e o Camões ? Não é imortal ? Foda-se, acabou a entrevista.”

O CVM, como nem é bruto nem insensível e tem, (tem que ter), paciência para gajos como o Saramago, disse-lhe qualquer coisa como isto :

- Não há imortalidade - remoía o gajo.
- Entra o génio de CVM. Cita : “Camões falava daqueles que ‘por feitos valorosos se vão da lei da morte libertando’. “
- Mesmo assim - insiste o antigo-saneador-político-do-prec
- Nem por feitos valorosos ?
- Não - insiste o comunista-que-vive-num-paraíso-em-espanha-e-que-de-vez-em- quando-vem-cá-a-portugal-chatear
- Nem por bons romances ?
- Não - insiste o amigo-do-fidel.

Não sei se estão a ver bem a genialidade da coisa. Não lhe perguntou se Camões era imortal, mas citou-o. Quando se cita uma obra com 500 anos …

E depois quando lhe pergunta pelos bons romances, o CVM merecia uma medalha, pois esta é digna do Mourinho, perdão, de Deus, perdão, de herói. Ao perguntar-lhe pelo bons romances, estava obviamente a perguntar-lhe pelos romances dele. Uma espécie de armadilha, portanto. E Saramago, vaidoso, responde que não, não percebendo que CVM estava no fundo a dizer-lhe : “Está bem abelha. Ora explica lá, e os teus romances, também não são imortais ? O que não é imortal é a merda que sai da tua boca, directamente da merda da tua cabeça.” Mas, lá está. Admito que uma vez mais o Carlos Vaz Marques não tenha pensado assim.
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

2:35 AM

Provavelmente o Saramago estava a pensar em situações como Atlântida ou Pompeia... só pode!... Ou isso ou é tentativa de vaidade disfarçada de humilde balofa a resvalar para o caricato!    



3:32 AM

caricato é o mínimo dos mínimos :-)    



» Post a Comment